terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Quando...

...dão aquelas reportagens sobre os jovens portugueses saírem cada vez mais tarde de casa dos pais, há pessoas que ainda ficam espantadas. Mas estavam à espera de quê? Na situação de crise crónica em que vivemos, estranho seria se fosse diferente. Razões válidas para isso é o que não faltam. Mas a mais importante de todas é sem dúvida a instabilidade no emprego. Só se o pessoal fosse doido.

Eu por mim falo. Às vezes apetece-me ir viver sozinha. Até começo a ver casas, mas depois cai-me a ficha e vejo que é impossível. Ok, impossível não seria, mas teria de abdicar de muita coisa, de muitas mordomias e futilidades que apesar de não serem essenciais, me fazem bem. E eu não estou disposta a isso. Alguém mudaria de boa vontade, sabendo que a sua qualidade de vida cairia drasticamente?

ilustração: garance dore

28 comentários:

Bitor disse...

caminha feita, roupa lavada , comida pronta e estou tao bem assim :D

*C*inderela disse...

Verdade, verdadinha. E isso devesse sobretudo à falta de emprego e instabilidade. Sem dinheiro não há nada. Muito menos casa e filhos como eles gostam de anunciar. E está especialmente pior para os mais jovens que vêm-se obrigados a adiar a sua independência, projectos a dois, filhos ... Mal fazem aqueles que dão um passo maior que as pernas.

Bjokas*

Adriana disse...

Saí de casa aos 18, e corre exatamente da forma que você comentou, se perde um pouco das mordomias, e se ganha um tanto de outras.
No entanto, faltando alguns meses para me casar, voltei a morar com meu pai, e descobri que teria sido ótimo ter passado mais tempo com ele (ou com minha mãe). Mas a vida é o que é... E por enquanto tem tido alto valor até aqui. E mesmo depois de expor a minha experiência pessoal, ainda assim concordo com a sua postura e seu ponto de vista.

Abraços.

Girl in the Clouds disse...

Concordo perfeitamente, depois as taxas de juro são instáveis, spreads altos, tornam a aquisição de uma casa difícil.
Kiss

Carrie disse...

Como te compreendo!
Infelizmente há muita gente que vê isso como malandrice.. ah e tal "a mocidade não quer é trabalhar"...
Infelizmente a nossa geração não tem muita escolha... Por mais que me ficasse bem eu morar sozinha, não é financeiramente viável porque o meu salario e a minha falta de estabilidade não ajudam!
Ainda dizem que no tempo deles a vida era dificil...
Ao menos os meus pais vêem as coisas como são e a minha mãe diz mesmo que não inveja a minha geração!

Kiss kiss

Suspiro disse...

Eu prefiro a comodidade da casinha dos papás! ;) E por muito que quisesse nem eu tinha condições para ir morar sozinha!, beijocas

Sofia disse...

Sem dúvida, eu também gostaria imenso de ter o meu cantinho. Mas a realidade é outra bem diferente. Se é tão dificil arranjar um empréstimo no banco, como conseguiriamos pagar uma casa e nem falo numa casa nova, falo numa casa em 2ªmão. A verdade é que na casa dos pais já estamos habituados a outra maneira de levar a vida, por isso o melhor que eu posso fazer e fiz recentemente foi abrir uma espécie de conta poupança. Assim todos os meses vou lá depositanto um x, sei que no próximo ano ainda não tenho dinheiro pa casa, mas já é um começo;)
Jinhos

DoceSussurro disse...

Tens td a razão !
Há que ponderar mt bem antes de tomar essa decisão.
De que vale ter casa, viver sozinho, se para isso é necessário ter 2 (ou 3) empregos, e deixar de ter vida social? É complicado...

Beijinho*

Cinderela disse...

Não poderia estar mais de acordo contigo. E isto para mim é mais do que comodismo, é sensatez. Quando sair daqui do ninho, quero ir segura, não é para voltar ao fim de meio ano com o rabinho entre as pernas, por isso, enquanto não estiverem reunidas todas as condições, vou ficando por cá.
(Mas também, com o pequeno-almoço levado à cama todas as manhãs, quem no seu perfeito normal quereria ir embora?)

Beij*cas, linda!

Poetic GIRL disse...

Sabes também penso o mesmo que tu, para ser independente a nível de morar sózinha teria que abdicar de algumas coisas. Mas para te ser sincera ainda não senti essa necessidade de independência. Deve ser horrivel chegar-se a uma casa e não ter ninguém para nos acolher. Não me dou mto bem com a solidão... bjs

Luh disse...

Ora...
para ter casa é preciso dinheiro...se fosse só o dinheiro da renda.Ainda há mais as despesas com luz,água...

Mariquita disse...

Sim! Eu acho que não o faria! Mas quando a situação em casa (por exemplo relacionamento com os familiares) não é a melhor mesmo tendo muitas coisas que depois não pode ter... sim há quem o faça não duvido que até possa ser o mal menor..

lagarto disse...

tenho 25 anos, só agora arranjei emprego e já dou por mim mtas vezes a desejar o meu espaço...só que...lá está...tenho de deixar a poeira assentar primeiro...

Olhos Dourados disse...

Claro! Com a dificuldade em arranjar trabalho e ainda por cima raros são os que são bem pagos!

the bloom girl disse...

Bitor: Olá, sê bem-vindo. Pois...

*C*inderela: Exactamente, muita gente dá um passo maior que as pernas e depois não sabem o que fazer da vida.

Adriana: Olá. São opções. E quem está disposto a perder certas coisas, deve-o fazer, porque certamente se ganhará outras. Mas no meu caso, eu não conseguiria.

Girl in the clouds: Tanto comprar como alugar é difícil. As rendas de casas decentes em sitios decentes também são elevadas. E por exemplo, nem falo aqui da Foz que é a zona mais cara do Porto. Que ali então é impossível.

Carrie: Também não tenho razão de queixa dos pais, eles nunca me pressionaram, nem quando tive no desemprego eles me diziam alguma coisa.

Suspiro:Eu também não.

Sofia: Sim também faço isso.

Doce Sussurro: Nem mais, tenho uma amiga que é assim.

Cinderela: Como te compreendo, também esse tipo de mimos, que só faz querer ficar por cá. Mas tal como tu dizes não é comodismo é sensatez. Eu costumo dizer que quando sair de casa dos pais tem que ser para ter uma vida igual ou melhor, porque senão não saio.

Poetic Girl: Eu tenho essa vontade, quando discuto com alguém aqui de casa, mas sim concordo contigo não ser agradável não ter ninguém com quem falar.

Luh: Exacto. E ao preço que está tudo, nem em sonhos.

Lagarto: Eu tenho 24 e só agora é que arranjei também, mas é dificil.

Olhos Dourados: Nem mais.

Neisseria Gonorrhoeae disse...

É a mais pura verdade. Cada vez os jovens tem mais medo de arriscar, sim, porque é isso mesmo ARRISCAR.

E depois, os pais falam, falam, falam, mas adoram ter os filhos por perto.

jinhos

Alexandre disse...

é verdade! E muitos vão viver sozinhos, mas arrependem-se e voltam aos pais :)
E há uns que adoram viver com os seus pais.
Conforme a vida e a família de cada jovem! ;)

Anira the Cat disse...

Concordo contigo. Eu vivo sozinha há alguns anos, mas porque tive a sorte de arranjar um bom emprego. De outra maneira seria impossível...

Selo no meu blog!

Bjokas

pintas* disse...

Mudar não mudava.
A verdade é que os contratos de trabalho são cada vez mais precários e dos salários, nem se fala. Somos explorados até ao tutano.
Já tive experiências de trabalhos em part-time, uns melhores que os outros. Mas o certo é que no final do contracto mandam-nos embora com uma mão à frente e outra atrás.
Eu ainda estudo e vivo debaixo do mesmo tecto que os meus pais.
Anseio pela minha independencia, mas por este andar não vejo forma de a conseguir muito cedo.
Cada vez é mais complicado arranjar um trabalho segura e honestamente remunerado.
Ninguém consegue ser independente sob tal inconstância.

Indecisa disse...

Penso exactamente como tu.
Há dias que tambem penso em mudar-me.. mas depois.. depois.. "e porque nao esperar mais um bocadinho"?

bjinhooo
*

Megan disse...

selinho no meu blog

Só Avulso disse...

Concordo em tudo o que disseste. Eu própria ainda vivo na casa dos meus pais e diga-se que não está muito fácil sair... a verdade é que assim até facilita em algumas coisas! :)

Narcolepsia disse...

Eu identifico-me com o que a Mariquita disse. Desde os 18 que fui estudar e viver com colegas noutra cidade. Houve uma altura em que morei sozinha, passei mt frio no inverno, numa casa q consegui mais barata, e até posso dizer que economizei na comida. Fiz estes sacrifícios porque para mim valia a pena. Não me sentia bem com os meus pais, mas durante 1 ano em que voltei para casa deles, apesar de não ser isso que queria, mas não tinha emprego, consegui dar-me melhor com eles. A vida empurra-nos.. E eu tive o privilégio de poder viver com a minha mãe um ano antes de ela morrer, e agora estou a entender-me também melhor com o meu pai porque tenho de o ajudar e vejo como ele é óptima pessoa. Mas sempre tive uma grande vontade de independência e quero ter e fazer as coisas à minha maneira, por isso tenho de ter muita paciência para aceitar esta situação em que não vou virar as costas ao meu pai e tenho tido muito com que lidar. E parecia tudo tão simples antigamente..quando só queria morar sozinha. :P

the bloom girl disse...

Neisseria G: Arriscar é a palavra correcta.

Alexandre: Sim, não se pode generalizar, cada um sabe de si.

Anira the cat: Sortuda! Obrigado.

Pintas: Nem mais.

Indecisa: O problema é o resto... e por isso adiamos.

Megan: Obrigado.

Só Avulso: Pois facilita, mas de vez em quando da vontade de ter uma casinha só nossa.

Narcolepsia: Às vezes temos que fazer escolhas. Eu não tenho problemas com os meus pais, (só os normais, nada de extraordinário), mas às vezes apetece-me estar sozinha para ninguém me chatear.Mas a vida não é assim, e os nosso pais são sempre os nosso pais, com todos os seus defeitos e virtudes.

beijinho

Clara disse...

Infelizmente, a sociedade não nos dá muitas garantias sobre o futuro e acho que, cada vez mais, temos medo de arriscar.

Beijinhos

Rita Moura disse...

Não acrescentaria mais nada ao teu texto. Apesar de ter apartamento próprio ainda moro com os papas uma vez que ainda não trabalho.. mesmo que trabalhasse acho que não me mudaria antes de manter o nível de vida que tenho em casa dos papas. ; ) ***

the bloom girl disse...

Clara: Exactamente. Nem mais.

Rita Moura: Penso da mesma forma.

Fritz disse...

Quando decidi morar sozinha, nos primeiros 3 meses, do meu salário sobravam 15 contos (ainda não havia o euro)por mês para as despesas. Não era a renda que era elevada, era o salário que não era nada fabuloso.
Depois comecei a trabalhar como freelancer, trabalhava 3 meses e estava 1 ou 2 sem trabalhar, habituei-me a gerir o dinheiro de forma a ter para o tempo que passava entre projectos, e sempre fui fazendo quase tudo o que me ia apetecendo e quando ia a casa dos pais os mimos eram a triplicar.
A casa não é minha, é alugada.
Mas lá está, são opcções e riscos que se decidem tomar e também se cresce com eles.
Nada contra ou a favor, cada um toma a sua decisão de acordo com o que acredita conseguir ser melhor.